domingo, 2 de julho de 2017

Domingo. Sem rumo. Mente exausta e meio sem planos.

Domingo. Sem rumo. Mente exausta e meio sem planos. Sem destino. Domingo. Não me pergunte nada. Mal desperto, notícia triste. Perdi um amigo de infância. O Luciano Pereira. É mais um que parte sem aviso a essa desagradável viagem só de ida. Vou aonde? Não sei. Planos desfeitos. Olho para a estrada, simplesmente nada. O tempo vai passando e os sonhos ficando pra traz, desencantos vindo ao presente e o futuro chamando incertezas. É a realidade da vida nua e crua. Bom mesmo, é parar pra pensar. Trancar tudo. Trancar a vida e deixar a mesma pelo meio dessa caminhada incerta e sobretudo, real... Domingo. Vinte quilômetros de viagem. Fazer essa manobra da vida e retornar de onde parti e recomeçar tudo de novo. Só que o tempo não para e esse domingo também. Ou tempo ladrão. Nem esse domingo posso nele pensar. Já, já, ele vai embora e eu mais uma vez, vou ficar sozinho.. 02.07.2017. Manhã de domingo.

Leia Mais:
Crônicas de Rufino Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário