domingo, 5 de fevereiro de 2017

Tempo Ladrão

Sandra e Joseni
 Por Blog do Parceiro -

Tempo Ladrão

Limitei-me a pensar... Fiz minhas reflexões:
Quão passageiro é o tempo. E ele nos prende...
Torna-nos prisioneiro e como um facão mortaz,
Nos retira tudo, nos deixando quase nada.

Ele passa como uma flecha... Corre demais.
Fustigo todos os nossos sonhos. Nos nega tudo:
Arranca do peito, o delírio – depois sepulta-o,
Deixando para traz todas as nossas esperanças.

O tempo... às vezes nosso bom aliado...
Mas depois, muito depois, vem a cobrança:
Pagamos caro, muito caro, o preço: a saudade.

De repente me perco no tempo. Assombro-me:
Saio correndo pela estrada à fora, me canso...
Não posso mais correr – Não tenho mais forças.
Resta-me somente dizer: cheguei. Estou velho demais...

26/12/96
Esta poesia foi um presente que ganhei de Rufino Silva em 26/12/96

ACESSE: Rufino Silva

Leia Também:

Como é bom e prazeroso recordar um passado que nos deixou grandes lembranças...

Nenhum comentário:

Postar um comentário